Search
Close this search box.

Twitter Files Brazil: Congresso dos EUA revela detalhes da censura contra críticos de Lula

Twitter

Documento de 541 páginas expõe detalhes de como TSE/STF atuaram para censurar adversários de Lula na corrida presidencial no Twitter e outras redes sociais

No mais recente  – e impactante – desdobramento da série de reportagens Twitter Files Brazil, as informações prometidas pelo dono da rede social X, Elon Musk, acabaram vindo à tona por meio de parlamentares do Congresso dos Estados Unidos. 

Apresentado em um relatório de 541 páginas divulgados pelo Comitê Judiciário da Câmara dos Representantes no final da noite de quarta-feira (17), o documento “O ataque à liberdade de expressão no exterior e o silêncio do governo Biden: o caso do Brasil” – apontou que cerca de 300 pessoas foram alvo de monitoramento e censura do TSE/STF entre 2021 e 2024, incluindo o então presidente e candidato à reeleição, Jair Bolsonaro (PL).

A mesma comissão que divulgou o relatório sobre a censura no Brasil solicitou ainda ao Departamento de Estado Norte-Americano – órgão ligado ao governo de Joe Biden – entregar toda a documentação que relata as demandas do TSE/STF para bloquear e banir usuários do antigo Twitter e de outras redes sociais.

“Os documentos e registros entregues revelam que, desde pelo menos 2022, o Supremo Tribunal Federal do Brasil, no qual Alexandre de Moraes atua como juiz, e o Tribunal Superior Eleitoral do Brasil, liderado por Moraes, ordenaram que a X Corp suspendesse ou removesse quase 150 contas na popular plataforma de mídia social”, aponta o relatório.

Twitter Files: detalhes sobre os casos de censura

A lista de censurados pelo Twitter a pedido do ministro Alexandre de Moraes é extensa, e inclui veículos de imprensa como Revista Crusoé, Jovem Pan, O Antagonista, Brasil Paralelo, Gazeta do Povo, além do influenciador Monark e do empresário Luciano Hang.

No caso de Monark  – cujo nome de batismo é Bruno Aiub Monteiro – o relatório especifica o comentário que levou o YouTuber a uma série de situações que culminou com sua saída do Brasil.

Saiba como foi a crítica de Monark censurada pelo STF/TSE:

“Toda vez que o Supremo faz um movimento desse [bloqueio de contas], ele gasta fichas políticas. Então, por que ele [STF está disposto a pagar este custo? Por que ele está disposto a garantir uma não-transparência nas eleições? A gente vê o TSE censurando gente, a gente vê o Alexandre de Moraes prendendo pessoas, você vê um monte de coisa acontecendo, e, ao mesmo tempo, eles impedindo a transparência das urnas? Você fica desconfiado, que maracutaia está acontecendo nas urnas ali? Por quê? Por que o nosso sistema político não quer deixar ter mais segurança?” (…)

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Pocket
WhatsApp

Nunca perca nenhuma notícia importante. Assine nosso boletim informativo.

Loading

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aproveite 20% OFF