Search
Close this search box.

PGR afirma que delação de Mauro Cid não incrimina Bolsonaro

Bolsonaro

Segundo a PGR, a delação de Mauro Cid que supostamente incriminaria Jair Bolsonaro não contou com provas suficientes

 

O subprocurador da PGR, Carlos Frederico Santos, jogou um balde de água fria sobre a expectativa em torno da delação premiada do ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro, Mauro Cid.

Segundo Santos, as informações reveladas pelo militar, originalmente preso sob a acusação de ter falsificado carteirinhas de vacinação seriam “fracas” e “pouco acrescentaram” à suposta venda irregular de joias recebidas da Arábia Saudita.

PGR afirma que delação não apresenta provas suficientes contra Bolsonaro

Em entrevista concedida à revista Veja, Carlos Frederico Santos ainda apontou que as informações divulgadas por Mauro Cid, além de outras denúncias feitas contra o ex-presidente Jair Bolsonaro, ainda não possuem provas materiais para “serem corroboradas”.

“A delação eu não achei forte. Em nada. A princípio eu achei que as informações foram fracas. (O depoimento) tem que ser corroborado. Nessa corroboração é que a gente vai saber a dimensão da delação. O que foi falado não tinha essas coisas todas”, afirmou o subprocurador.

De acordo com Carlos Frederico Santos, os então comandantes das Forças Armadas teriam se reunido no 7 de setembro de 2022 para discutir “a possibilidade de um golpe”. O dado foi apresentado por Mauro Cid na delação, mas sem provas materiais da “conspiração”.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Pocket
WhatsApp

Nunca perca nenhuma notícia importante. Assine nosso boletim informativo.

Loading

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aproveite 20% OFF