Search
Close this search box.

Papuda irá libertar mais 80 presos políticos do 8 de Janeiro

Papuda é a bola da vez. Depois de anunciar a libertação provisória de mais de 140 detentas na Colmeia, agora foi a vez dos homens ganharem o benefício das mãos do ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes. Embora o anúncio do STF indique a soltura dos presos, a libertação não é imediata. Advogados de suspeitos afirmaram que existe uma burocracia que pode demandar alguns dias para atender à determinação judicial.

Os 80 detentos da Papuda, acusado de terem invadido, depredado e cometido crimes contra o estado democrático de direito em 8 de janeiro, foi uma resposta do Ministro a parecer favorável da Procuradoria-Geral da República (PGR). De acordo com o STF, ainda permanecem presos 440 homens e 82 mulheres.

Assim como no caso das mulheres da Colmeia, os detentos da Papuda terão de cumprir uma série de medidas cautelares impostas pelo relator do processo, ministro Alexandre de Mores.

Entre eles, uso de tornozeleira eletrônica, comparecimento semanal ao juízo da Execução da comarca de origem, proibição de deixar o país, entrega obrigatória de passaportes, suspensão de porte de arma de fogo, além da proibição do uso de redes sociais e de manter contato com os demais envolvidos.

Segundo o STF, a entrega dos passaportes não é suficiente. Os documentos dos acusados também precisarão ser cancelados.

Prisioneiros da Papuda irão responder na Justiça por diversos crimes

De acordo com a Justiça, os suspeitos do 8 de Janeiro deverão responder por diversos acusações. Até o momento, a PGR denunciou 919 pessoas por incitação pública ao crime e associação criminosa. Dessas, 219 responderão também por crimes mais graves – dano qualificado, abolição violenta do estado de direito e golpe de estado.

Vale destacar que, em 9 de janeiro de 2023, a Polícia Federal prendeu em flagrante 2.151 pessoas que participaram dos atos de invasão e depredação das sedes dos Três poderes, em Brasília. Muitos dos detentos não chegaram a entrar nos edifícios públicos, ou sequer cometeram atos de vandalismo.

 

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Pocket
WhatsApp

Nunca perca nenhuma notícia importante. Assine nosso boletim informativo.

Loading

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *