Search
Close this search box.

Pacheco minimiza abuso de autoridade e defende censura às redes sociais

Pacheco

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, afirmou que apenas uma regulamentação das redes socais poderá trazer segurança jurídica

A reação do presidente do Congresso  aos ataques contra Elon Musk – e sua inclusão no inquérito das milícias digitais pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes – não trouxe nenhuma novidade ao debate sobre abuso de autoridade no Brasil.

Sem demonstrar indignação contra a perseguição comprovada à integrantes da direita na matéria do norte-americano Michael Shellenberger – que comprovou censura nas eleições de 2022 – o senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG) usou o incidente para pedir mais censura aos usuários das redes sociais.

“O que podemos contribuir para efetivação da solução desse debate que se travou nos últimos dias é entregar marcos legislativos que sejam inteligentes e eficientes para poder disciplinar o uso dessas redes sociais no país”, declarou Pacheco, ao lado do senador Randolfe Rodrigues (Sem Partido/AP) e do ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha.

“Isso acaba gerando controvérsias como essa que nós vimos de o Poder Judiciário precisar agir em relação a atos antidemocráticos, a violações de direitos, atentado à democracia e isso ser interpretado como algum tipo de censura ou inibição da liberdade de expressão”, ponderou Pacheco.

Pacheco diz que “regulamentação não é censura”

Ainda em seu pronunciamento, Pacheco insistiu na necessidade de votar projetos de lei para controlar o que é postado nas redes, destacando que não considera “projetos de censura” – apesar de o ministro Alexandre de Morais ousar incluir Elon Musk no inquérito das Milícias Digitais que já dura 5 anos.

“Considero isso fundamental, não é censura, não é limitação da liberdade de expressão, são regras para o uso dessas plataformas digitais para que não haja captura de mentes de forma indiscriminada e que possa manipular desinformações, disseminar ódio, violência, ataques a instituições. Há um papel cívico que deve ser exercido pelas plataformas digitais de não permitir que esse ambiente seja um ambiente de vale tudo vale tudo”, reiterou.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Pocket
WhatsApp

Nunca perca nenhuma notícia importante. Assine nosso boletim informativo.

Loading

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aproveite 20% OFF