Search
Close this search box.

Justiça Militar anuncia conclusão das investigações sobre roubo de 21 armas do Exército

Armas

Apenas 2 das 21 metralhadoras furtadas do Arsenal de Guerra do Exército ainda não foram recuperadas

A Justiça Militar da União executou a prisão de dois militares acusados de roubar 21 armas do Arsenal de Guerra do Exército em Barueri, na Grande São Paulo, em setembro do ano passado. 

O órgão não divulgou à imprensa o nome dos detidos, que irão responder pelos crimes de furto, peculato, receptação e extravio de armas.

Segundo as autoridades, os equipamentos furtados do depósito foram 13 unidades de metralhadoras calibre .50 e 8 unidades de calibre 7,62. As armas têm capacidade de abater aeronaves e atravessar superfícies de veículos blindados. Desse total, apenas 2 metralhadoras ainda não foram recuperadas.

A próxima fase do processo será a análise do caso pelo Ministério Público Militar. Se houver elementos suficientes para aceitar a denúncia, o trâmite será conduzido pela Justiça Militar. Se os suspeitos se tornarem réus, poderão ser julgados e condenados até 50 anos de prisão. 

Armas seriam negociadas com o PCC

Como o Paradoxo BR mostrou, O secretário da Segurança Pública do Estado de São Paulo, Guilherme Derrite, revelou que as armas furtadas do Arsenal de Guerra de São Paulo, em Barueri, tinham como destino o crime organizado. Elas seriam negociadas com membros do PCC – o Primeiro Comando da Capital e do Comando Vermelho.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Pocket
WhatsApp

Nunca perca nenhuma notícia importante. Assine nosso boletim informativo.

Loading

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aproveite 20% OFF