Search
Close this search box.

Exclusivo: Esposa do Coronel Naime pede justiça e fala em “410 dias de tortura”

Naime

Ex-comandante da PM do Distrito Federal está preso há mais de 400 dias pelo 8 de Janeiro

A esposa do coronel Jorge Eduardo Naime voltou a se manifestar sobre a detenção do marido, acusado de omissão durante a invasão das sedes dos três poderes, em 8 de janeiro de 2023. Mariana Adorno Naime lamentou que  ex-chefe do Departamento de Operações da Polícia Militar do Distrito Federal esteja há mais de 400 dias na prisão, mas disse estar confiante na punição dos verdadeiros responsáveis pelos atos de vandalismo.

“Entendo que a busca pela verdade e pela justiça é fundamental nesse processo”, afirmou Mariana. “É lamentável que, mesmo após mais de 410 dias de tortura, os verdadeiros culpados ainda estejam impunes”, reitera.

“É importante continuar a montar esse quebra-cabeça e buscar todas as informações e evidências disponíveis para esclarecer os fatos e responsabilidades. Essa busca pode ser longa e desafiadora, mas é necessário perseverar em prol da justiça”, pontua Mariana.

Esposa de Naime relata dificuldades e angúsita

Apesar de enfrentar diversos problemas de saúde, Jorge Eduardo Naime ainda não conseguiu obter o benefício da liberdade provisória. Sua família, entretanto, está confiante de que a liberdade, ainda que vigiada, poderá ser concedida em breve pela justiça. Por enquanto, a esposa do ex-comandante só consegue expressar o sofrimento vivido nos últimos meses.

“Estamos aqui  num sofrimento sem fim. É uma angústia, uma dor”, afirma Mariana. “Porque o Naime não é marido e pai apenas. Ele é um grande amigo”, ressalta a esposa, apontando os desafios.

“Meu filho pegou recentemente dengue e teve que ser internado. Tem outro filho dele que está com dengue também. Me sinto sozinha. Estamos numa dor sem fim, e ela aumenta a cada dia que passa. A força dele faz muita falta. Acreditamos que a verdade vai ser reestabelecida Estamos pedindo socorro, porque não aguentamos mais. Estamos no limite, sem saber mais o que fazer”, lamenta.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Pocket
WhatsApp

Nunca perca nenhuma notícia importante. Assine nosso boletim informativo.

Loading

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *