Search
Close this search box.

Anderson Torres ganha “liberdade vigiada” do STF, após quatro meses na prisão

Torres

Anderson Torres deixa a prisão, mas terá de usar tornozeleira eletrônica, abandonar redes sociais e devolver passaportes à PF

Às vésperas de completar quatro meses no cárcere, o ex-ministro da Justiça e delegado da PF, Anderson Torres, poderá, finalmente, deixar sua cela na prisão em um batalhão da PM, em Brasília. A decisão da soltura foi emitida pelo ministro do Supremo Tribuna Federal (STF), Alexandre de Moraes, nesta quinta-feira (11).

Em seu despacho, Moraes declarou:

No presente momento da investigação criminal, as razões para a manutenção da prisão de Torres cessaram, pois a necessária compatibilização entre a Justiça Penal e o direito de liberdade demonstra que a eficácia da prisão preventiva já alcançou sua finalidade”.

A libertação de Torres não sairá de graça. Ele terá de entregar às autoridades seus passaportes e armas de fogo, não poderá sair à noite e será obrigado a usar tornozeleira eletrônica e abandonar suas redes sociais. Seu cargo como delegado da PF também foi revogado por Alexandre de Moraes. Além das medidas cautelares citadas, Anderson Torres precisará comparecer toda segunda-feira à sede da Justiça Federal do Distrito Federal.

Mais sobre o caso

Em 17 de abril, a Procuradoria-Geral da República (PGR) já havia manifestado a decisão pela libertação de Anderson Torres, com a condição de que o ex-ministro de Bolsonaro fosse obrigado a cumprir medidas cautelares.

Anderson Torres é suspeito de ter se omitido sobre os atos de vandalismo do 8 de Janeiro. Ele se entregou à justiça no dia 14 daquele mês, após retornar de férias nos Estados Unidos.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Pocket
WhatsApp

Nunca perca nenhuma notícia importante. Assine nosso boletim informativo.

Loading

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aproveite 20% OFF